Escolha sua fonte:
 Arimo
 Merriweather
 Mukta Malar
 Open Sans Condensed
 Rokkitt
 Source Sans Pro
 Login


 Português 
 Français 
 English 

[Valid RSS] RSS
bar

Banco de dados - Alliance francophone pour l'accouchement respecté (AFAR)

Descrição deste banco de dados documental (Site da AFAR)
Atualmente 3046 fichas
Canal do YouTube (tutorial)

https://afar.info/id=2023

Criado em : 17 Mar 2007
Alterado em : 01 Dec 2007

 Modificar esta ficha
Siga este link somente se você tiver um palavra chave de editor!


Compartilhar: Facebook logo   Tweeter logo   Difícil

Nota bibliográfica (sem autor) :

Management of prolonged pregnancy: a randomized trial of induction of labour and antepartum foetal monitoring. {Inde}. Natl Med J India. 2001 Sep-Oct;14(5):270-3.

Autores :

James C, George SS, Gaunekar N, Seshadri L.

Ano de publicação :

2001

URL(s) :

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?db=p…

Résumé (français)  :

Abstract (English)  :

BACKGROUND: The two methods of management of prolonged pregnancy, induction of labour and expectant management with foetal surveillance, have pros and cons. Therefore, we compared the induction of labour with serial antenatal foetal monitoring in the management of post-term pregnancy. METHODS: Seventy-four women with uncomplicated pregnancy at 41 weeks (287 days) of gestation were randomly assigned to undergo either induction of labour or serial antenatal foetal monitoring. Labour was induced in the latter group whenever there was evidence of foetal compromise. Antenatal monitoring consisted of the foetal kick count, non-stress test and biophysical profile. RESULTS: Fifty-seven per cent of women went into spontaneous labour by 41 weeks and 4 days (291 days) of gestation and only 14% developed foetal compromise before that. However, when the gestational age was more than 41 weeks and 4 days (291 days), the incidence of meconium staining of amniotic fluid and evidence of uteroplacental insufficiency increased significantly. The rate of caesarean section, instrumental delivery, foetal distress and duration of labour did not differ significantly between the two groups. CONCLUSION: The policy of inducing labour at 41 weeks and 4 days (291 days of gestation) in uncomplicated pregnancies is justified in our population. However, foetal monitoring should begin at 41 weeks of gestation.

Sumário (português)  :

Comentários :

Argument (français) :

Argument (English):

Argumento (português):

Palavras-chaves :

➡ indução ; tempo de termo excedido

Autor da esta ficha :

Cécile Loup — 17 Mar 2007

Discussão (exibir apenas português)
 
➡ Reservado para usuários identificados



 Li a carta de discussões e aceito as condições (leia as diretrizes)

barre

Efectuar uma nova consulta especialista --- Outro pedido simples

Criação de uma ficha --- Importar registros

Gerenciamento de usuários --- Fazer backup do banco de dados --- Contato

bar

Esta base de dados é gerida pela Alliance francophone pour l'accouchement respecté (AFAR, https://afar.info)
filiados Collectif interassociatif autour de la naissance (CIANE, https://ciane.net).
Ele é alimentado pelas contribuições de voluntários interessados ​​em compartilhar informações científicas.
Se você aprovar este projeto, você pode nos ajudar de várias maneiras:
(1) tornar-se um colaborador com base nisso, se você tem um pouco experiência na literatura científica
(2) ou apoio financeiro AFAR (veja abaixo)
(3) ou tornar-se um membro da AFAR (ou outra associação afiliada à CIANE).
Faça login ou crie uma conta para seguir as alterações ou se tornar um editor.
Contato afar.association(arobase)gmail.com para mais informações.

Valid CSS! Valid HTML!
Doar para a AFAR (clique em “Faire un don”) nos ajudará a manter e desenvolver sites e bancos de dados
públicos para o apoio das decisões informadas dos pais e cuidadores com relação ao parto